As nossas sugestões em pneus

Qual a diferença entre os pneus de inverno e de verão?

Imaginemos que estamos a circular a 50 km/h de uma oficina J. Alves no interior do norte de Portugal para uma no litoral. Algures no percurso, necessitamos parar. Se estivermos com pneus de verão num dia de neve, iremos necessitar de cerca de 45 metros para parar o carro.

Imaginemos agora o mesmo cenário, mas com pneus de neve. Necessitamos de menos 10 metros para a mesma operação, ou seja, conseguiríamos parar o carro em menos de 35 metros. Esta diferença pode por vezes ser o suficiente para evitar problemas maiores.

Isto acontece porque os pneus de verão não conseguem proporcionar a mesma aderência em pisos com baixas temperaturas. Já os pneus de inverno possuem uma mistura especial de borracha e uns sulcos mais profundos e mais ásperos para assegurarem a aderência necessária em dias de geada e de piso escorregadio.

Viaje seguro todo o ano. Use pneus adequados.
As estatísticas indicam que no inverno existem cerca de seis vezes mais probabilidades de termos um acidente. Além disso, as seguradas tendem a atribuir parte da culpa aos condutores que não cumprem as especificações legais no que ao bom estado de pneus diz respeito.

Quando se devem substituir os pneus?

Existem pelo menos três fatores importantes que se devem ter em conta:

  • A idade do pneu (com o tempo a borracha perde elasticidade)
  • A profundidade dos sulcos (a profundidade mínima do sulco exigida por lei é de 1,6 mm. Não deixe, pela sua segurança, baixar dos 3mm.)
  • Dados visíveis (brechas e faltas de borracha derivado a trilhar os pneus em passeios, por exemplo)
  • Desgaste assimétrico dos pneus (Se os pneus não estiverem devidamente calibrados podem romper de forma desequilibrada)

A importância de uma pressão dos pneus equilibrada

As rodas não são o único elemento que suporta o peso do veículo, por isso o ar que elas contêm também desempenha um papel importante. Imaginemos que temos uma pressão mais baixa que o recomendado:

  • Aumentamos o conforto, mas…
  • Necessitamos de uma distância maior para conseguir travar;
  • O pneu aquece mais
  • Aumenta a probabilidade de dados causados pelo calor;
  • O consumo de combustível aumenta, pois temos mais pneu em contacto com o chão.

Qual a diferença entre os pneus de inverno e de verão?

Imaginemos que estamos a circular a 50 km/h de uma oficina J. Alves no interior do norte de Portugal para uma no litoral. Algures no percurso, necessitamos parar. Se estivermos com pneus de verão num dia de neve, iremos necessitar de cerca de 45 metros para parar o carro.

Imaginemos agora o mesmo cenário, mas com pneus de neve. Necessitamos de menos 10 metros para a mesma operação, ou seja, conseguiríamos parar o carro em menos de 35 metros. Esta diferença pode por vezes ser o suficiente para evitar problemas maiores.

Isto acontece porque os pneus de verão não conseguem proporcionar a mesma aderência em pisos com baixas temperaturas. Já os pneus de inverno possuem uma mistura especial de borracha e uns sulcos mais profundos e mais ásperos para assegurarem a aderência necessária em dias de geada e de piso escorregadio.

Viaje seguro todo o ano. Use pneus adequados.
As estatísticas indicam que no inverno existem cerca de seis vezes mais probabilidades de termos um acidente. Além disso, as seguradas tendem a atribuir parte da culpa aos condutores que não cumprem as especificações legais no que ao bom estado de pneus diz respeito.

A importância de uma pressão dos pneus equilibrada

As rodas não são o único elemento que suporta o peso do veículo, por isso o ar que elas contêm também desempenha um papel importante. Imaginemos que temos uma pressão mais baixa que o recomendado:

  • Aumentamos o conforto, mas…
  • Necessitamos de uma distância maior para conseguir travar;
  • O pneu aquece mais
  • Aumenta a probabilidade de dados causados pelo calor;
  • O consumo de combustível aumenta, pois temos mais pneu em contacto com o chão.

Quando se devem substituir os pneus?

Existem pelo menos três fatores importantes que se devem ter em conta:

  • A idade do pneu (com o tempo a borracha perde elasticidade)
  • A profundidade dos sulcos (a profundidade mínima do sulco exigida por lei é de 1,6 mm. Não deixe, pela sua segurança, baixar dos 3mm.)
  • Dados visíveis (brechas e faltas de borracha derivado a trilhar os pneus em passeios, por exemplo)
  • Desgaste assimétrico dos pneus (Se os pneus não estiverem devidamente calibrados podem romper de forma desequilibrada)